No dia do padroeiro, Santuário de Liberdade foi elevado à categoria de Basílica Menor

Em Liberdade, o Jubileu do Senhor Bom Jesus do Livramento é celebrado em 14 de setembro, data dedicada à Exaltação da Santa Cruz. Em 2018, a festa tornou-se ainda mais especial e única pois, no dia do padroeiro, o Santuário Arquidiocesano foi elevado à categoria de Basílica Menor.
Mais de 30 mil fiéis estiveram em Liberdade para celebrar a festa do Senhor Bom Jesus do Livramento / Foto: Cláudia Carvalho/Liberdade

Durante o dia, diversas missas foram celebradas às 6h, 8h, 10h, 12h e 14h. Às 16h, a Solene Celebração Eucarística presidida pelo arcebispo metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, marcou a elevação de categoria do templo religioso. Na ocasião, a igreja recebeu dois símbolos que caracterizam as basílicas menores: a umbela (espécie de grande guarda-chuva com enfeites litúrgicos) e o tintinabulo (pequeno sino). Além disso, o ato de criação das basílicas ainda confere ao templo a possibilidade de oferecer indulgências plenárias aos fiéis em várias datas. A procissão luminosa, grande tradição na festa do padroeiro, este ano precisou ser cancelada devido as chuvas que caíam na cidade.

“É um título que honra aquela igreja, a destaca como uma igreja modelar. Um título dado pelo Papa é sempre um símbolo da nossa fidelidade, do nosso amor filial, da nossa solidariedade com o sucessor de Pedro”, expressou Dom Gil Antônio, que levou este pedido até o Santo Padre no dia 19 de março deste ano.

Para o reitor do Santuário, Padre Ivair Carolino, a notícia da elevação do templo à categoria de Basílica Menor é “motivo de júbilo” para os moradores de Liberdade. “Para nós, será motivo de mais trabalho, no intuito de acolher melhor os romeiros e devotos que passam pelo Santuário ao longo do ano”, declarou. Segundo o reitor, três critérios foram levados em consideração para a escolha. “O primeiro é a vida litúrgica, ou seja, as celebrações que acontecem naquele templo. O segundo é a questão arquitetônica, já que o nosso santuário já tem dois séculos, apesar de que nesse período houve uma evolução da construção, mas ele se manteve fiel à toda dinâmica da história. O terceirto critério é que o santuário guarda uma imagem singular, que tem por volta de 300 anos, única no Brasil. Perdeu-se na história o registro dela, mas é atribuída a São José, o pai de Jesus, que miraculosamente aparece em determinado momento e esculpe essa imagem”, conta o padre.

De acordo com a última projeção feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o município de Liberdade possui cerca de 5.300 habitantes. A cidade acolheu mais de 30 mil peregrinos no dia 14 de setembro.

O título

Esta será a primeira Basílica Menor da Arquidiocese de Juiz de Fora. O título concedido por Papa Francisco leva em consideração as características arquitetônica, histórica e de devoção popular do templo religioso, além da importância para a vida litúrgica e pastoral. No caso de Liberdade, a concessão do título foi também fundamentada na antiga veneração à sagrada imagem do Bom Jesus do Livramento.

Só existem quatro igrejas com o título de “Basílica Maior”, todas elas situadas na cidade de Roma: São Pedro, São João de Latrão, Santa Maria Maior e São Paulo Extramuros. As demais ostentam o título de “Basílica Menor” e existem cerca de 1.500 ao redor do mundo.

A celebração

Reitor da Basílica Menor, Padre Ivair Carolino / Foto: Cláudia Carvalho/Liberdade
Arcebispo de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira no momento do lançamento do Selo Nacional Comemorativo da Basílica / Foto: Cláudia Carvalho/Liberdade

Antes da Celebração Eucarística que concedeu o título de Basílica Menor à paróquia, houve o momento do lançamento do selo comemorativo da elevação do Santuário. O selo passa a figurar como peça de coleção e souvenir de alto valor agregado, além de eternizar o momento; mais do que isso, solidifica o santuário como parte da cultura religiosa de Minas Gerais e fortifica a fé no Senhor Bom Jesus do Livramento. Participaram da cerimônia de obliteração do selo a prefeita da cidade, Rita de Cássia Rodrigues, o arcebispo Dom Gil, o reitor do Santuário e idealizador da arte do selo, Pe. Ivair Carolino, o chanceler da Arquidiocese de Juiz de Fora, Pe. Eder Luiz Pereira, o membro da Irmandade do Senhor Bom Jesus do Livramento, José da Cunha de Campos, além Douglas Amaral, gerente da agência dos Correios de Liberdade, Roberto da Costa, regional de atendimentos e vendas dos Correios de Juiz de Fora e Zona da Mata, Degnaldo de Castro, coordenador de Vendas dos Correios de Juiz de Fora, e Rodrigo Reis, coordenador dos Correios.

A celebração da Santa Missa aconteceu no interior da Igreja, por conta da forte chuva que caía na cidade, e foi celebrada por Dom Gil Antônio Moreira. Participaram da celebração, fiéis vindos de cidades do entorno e de estados vizinhos, padres, diáconos e seminaristas da região. Durante a Missa, foi feita a leitura do decreto apostólico que elevou o Santuário do Senhor Bom Jesus do Livramento à Basílica Menor e apresentado à comunidade. O documento afirma que “a concessão deste título a esta importante igreja, intensificando o vínculo particular com a Igreja de Roma e com o Santo Padre, é um incentivo a promover a sua exemplaridade como verdadeiro centro de ação litúrgica e pastoral na Diocese”.

Padres, diáconos e seminaristas da região estiveram presentes no grande momento de fé para a Igreja Católica na cidade e diocese / Foto: Cláudia Carvalho/Liberdade

 Indulgências Plenárias

A partir de agora, o Santuário Basílica passa a ter a Indulgência Plenária, uma graça que a Igreja concede, pelos méritos de Jesus Cristo, de Maria e todos os Santos, para apagar a pena temporal que permanece como consequência do pecado, perdoando completamente a pena. A Indulgência foi concedida a todos que participaram da celebração e a quem for celebrar os Santos Mistérios nas seguintes datas:

Aniversário da sua Dedicação (30 de maio)
Festa litúrgica do seu titular (14 de setembro)
Solenidade dos Santos Apóstolos São Pedro e São Paulo (29 de junho)
Aniversário da concessão do título (6 de agosto)

Além dessas datas, a Santa Sé concede ao Bispo local o direito de escolher outro dia e assim, determinamos que, em Liberdade, seja o primeiro domingo de setembro de cada ano, quando ocorre a abertura do Jubileu, com o translado da imagem votiva do Bom Jesus, da Vargem para o Santuário. Da mesma forma, é concedido aos fiéis que, na impossibilidade de comparecer a uma dessas datas, possa escolher ele mesmo um dia para visitar a basílica e lucrar a indulgência, o que significa, na prática, que todos os dias do ano são dias de indulgência plenária nas igrejas basilicais.

Em todos estes casos, para obter o mencionado benefício espiritual, o fiel deve cumprir as costumeiras condições, que são: rezar ao menos o Pai Nosso, recitar o Creio, fazer a Confissão sacramental, receber a Comunhão Eucarística e rezar pelas intenções do Papa.

Vale destacar que o título de basílica é o mais elevado que uma igreja pode ter, depois da Catedral. Representa uma dignidade que os Papas dão com o objetivo de destacar a importância daquele edifício sagrado, pela veneração e apreço que lhe atribuem os fiéis, a importância histórica e a beleza artística de sua arquitetura, e demais elementos decorativos, como esculturas, entalhes, retábulos, pinturas e outros.

Altar com imagem única possui telas atribuídas a José Joaquim da Natividade — Foto: Arquivo / Santuário do Senhor Bom Jesus do Livramento

Sul de Minas

No Sul de Minas, existem outras 4 Basílicas. Em Poços de Caldas (Basílica Nossa Senhora da Saúde), Boa Esperança (Basílica Nossa Senhora das Dores), Borda da Mata (Basílica Nossa Senhora do Carmo), São Lourenço (Basílica Menor de São Lourenço Mártir) e Conceição do Rio Verde (Basílica de Nossa Senhora da Conceição).

Fotos cedidas por Cláudia Carvalho, da cidade de Liberdade – Contato: (32) 98424-6446.

Redação CSul – Iago Almeida / Com informações da Arquidiocese de Juiz de Fora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *