Nigéria resgata 300 mulheres e crianças capturadas pelo Boko Haram

boko-2

O exército nigeriano anunciou nesta quarta-feira (28) que resgatou mais de 300 mulheres e crianças sequestradas pelo grupo islamita Boko Haram na região nordeste do país. Na operação, 30 insurgentes do Boko Haram foram mortos pelo exército. Armas e munições também foram apreendidas.

“A unidade [do exército] socorreu 338 pessoas que os terroristas mantinham em cativeiro”, entre eles 192 crianças e 138 mulheres, durante operações na terça-feira na região de Sambisa, um reduto dos insurgentes islamitas, anunciaram as Forças Armadas.

As operações aconteceram em campos suspeitos de pertencer aos terroristas do Boko Haram nas cidades de Bulajilin e Manawashe, na região de Sambisa, reduto dos rebeldes islamitas.

A Força Aérea nigeriana declarou na véspera ter bombardeado depósitos de veículos e combustível do grupo em um esforço para deteriorar ao máximo seus recursos.

História do grupo
O grupo radical islâmico Boko Haram nasceu de uma seita que atraiu jovens do norte do país.

Seus líderes são críticos em relação ao governo nigeriano e querem estabelecer a lei do Islâ no país. Além disso, condenam a educação ocidental e são contra mulheres frequentarem a escola.

Boko Haram significa “a educação ocidental é pecaminosa” em hausa, a língua mais falada no norte da Nigéria.

Para Mohammed Yusuf, fundador da seita, os valores ocidentais, instaurados pelos colonizadores britânicos, são a fonte de todos os males sofridos pelo país.

Ataques
Entre os atos terroristas do Boko Haram está o ataque à sede da ONU que matou 23 pessoas em Abuja, capital da Nigéria, em agosto de 2011. Em 25 de dezembro desse mesmo ano, um ataque a bomba à igreja de Santa Theresa, na cidade de Madalla, deixou 43 mortos.

Segundo diplomatas, membros do Boko Haram foram treinados pela AQMI (Al-Qaeda no Magrebe Islâmico) no norte do Mali entre 2012 e 2013. Além disso, afirmam que o Boko Haram está presente no Níger, Chade e Camarões, países que serviriam de base para o grupo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *