Médico cubano é detido suspeito de abuso sexual em Passos

Um médico cubano foi detido na tarde desta quarta-feira (2), em Passos, suspeito de abuso sexual. De acordo com a Polícia Militar, uma paciente, de 57 anos, relatou que teria sido abusada pelo médico durante consulta em um Posto de Saúde da Família no Centro da cidade.

O médico atua na cidade através do programa ‘Mais Médicos’ do Governo Federal. Segundo a vítima, ele teria mostrado os órgãos genitais e tentado tirar a roupa dela. Ainda de acordo com a paciente, esta seria a quarta vez que o médico a assedia, mas a primeira em que houve realmente algum tipo de contato físico.

O médico foi detido e encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil de Passos para prestar depoimento.

A Prefeitura Municipal informou que está colaborando com a apuração do caso e já afastou o médico das funções. Em nota, o Ministério da Saúde informou que vai abrir processo disciplinar para apurar o caso.

Atualmente Passos conta com 19 médicos estrangeiros que atuam na cidade através do programa ‘Mais Médicos’ nos PSFs e ambulatórios municipais. Os primeiros profissionais chegaram à cidade em 2013.

Leia na íntegra a nota do Ministério da Saúde:

O Ministério da Saúde informa que teve ciência do caso sobre o profissional do Programa Mais Médicos envolvido em denúncia de abuso sexual em Passos (MG), nesta quarta-feira (2/12), e que adotará as devidas providências:

– Afastamento do médico das atividades de integração ensino-serviço até a conclusão das investigações;
– Instauração de processo disciplinar para apuração da conduta do médico, assegurado o direito de resposta e ampla defesa; e
– Solicitação de visita técnica do supervisor do programa à Unidade Básica de Saúde com envio de relatório de supervisão, para avaliação da conduta do médico no âmbito do Projeto.

Cabe ressaltar que o Ministério da Saúde apoiará a Polícia Civil do Estado de Minas Gerais e acompanhará a investigação criminal feita pela delegacia.

É importante esclarecer que os médicos do programa Mais Médicos obedecem à mesma legislação aplicada aos demais médicos que trabalham no Brasil. Eles estão sujeitos à fiscalização do CRM, que têm a competência de fiscalizar e de apurar eventuais erros, assim como são apuradas as denúncias contra qualquer profissional de medicina que atue no país. No âmbito do Mais Médicos, denúncias sobre condutas inadequadas devem ser feitas para a coordenação estadual do programa, para a Ouvidoria do SUS, através do número 136, ou enviadas para o endereço de e-mail notificacao.maismedicos@saude.gov.br.

4649894_x360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *