Mato Seco concede entrevista exclusiva ao CSul após show memorável no último sábado no VTC

“Resistência é você não se corromper”

Carolina Lima – Redação CSul / Foto destaque: Carolina Lima.

 

Foto: Carolina Lima

Muita energia positiva, amor, esperança e paz estiveram presentes no show da banda Mato Seco no último sábado (2), no VTC em Varginha. O público prestigiou grandes sucessos da banda, além de mensagens do bem proferidas pelo vocalista, Rodrigo Piccolo, nos intervalos entre uma música e outra. Do início ao fim o público cantou e se emocionou com a banda de reggae que durou no palco cerca de duas horas. Após o termino do show, a banda ainda recebeu os fãs e fizeram fotos.

Em um clima de bastante alegria e descontração os integrantes da banda receberam nossa equipe para uma entrevista exclusiva, sobre os ideais que acompanham a história da banda além de explicar o significado da ‘Resistência’ que é símbolo de Mato Seco.

A formação da banda começou 17 anos atrás com um grupo de amigos de infância que queriam mais do que fazer música, poder fazer música juntos. “A música que escolheu a gente… um aprendendo com o outro, um ouvindo música, fazendo música nova, tirando muito cover e acreditando em um sonho, que não era estar nos palcos igual hoje tá rolando assim, era a gente estar junto e podendo fazer música ao mesmo tempo, e hoje já tá fazendo 17 anos e conseguimos ir para fora do país, levar nossa arte para fora, viemos para Varginha para fazer música… então a gente faz o que gosta e quando a gente faz o que gosta é meio que estar de férias assim, então acredita meu, se joga mesmo, de cabeça”, comenta Tiago Rezende, baterista e percussionista da banda.

Sobre o significado de Resistência, que é a marca da banda, o vocalista Rodrigo Piccolo explicou o sentido da palavra para a banda.

“No mundo que a gente vive […] é fácil se corromper, a verdade é essa, a corrupção é algo humano, então tá dentro de cada um e na verdade acontece que a gente luta a cada dia, a gente luta em prol de um resgate do ser humano dentro de cada ser humano né, através do amor, através da empatia, através da tolerância e respeito pelas diferenças apesar de sermos todos iguais, negros, brancos, homens, mulheres, ricos, pobres, aqueles que têm crença, aqueles que não acreditam em nada, somos todos iguais, a verdade é essa, seres humanos, animais… então acho que a luta maior nossa é por esse resgate, desse humano do ser humano e acho que essa é a resistência maior, é como diz aquele velho ditado: não se trata de cair, se trata de cair e levantar e aprender esses caminhos de que a gente não precisa se corromper para alcançar o que a gente quer alcançar, a gente não precisa pisar no outro, a gente não precisa menosprezar o outro, não precisa fazer da vida uma competição pela sobrevivência e é assim que a gente vive e que a gente traçou nosso caminho e traça os nossos ideais, com muito respeito pela vida de uma forma geral e é isso que a gente tenta passar para as pessoas através da nossa música, através das nossas palavras, através do dia-a-dia, dos nossos gestos, atitudes, é o que a gente ta buscando, fazer parte de uma construção de um mundo melhor a partir disso, a partir de bons sentimentos, a partir de dar ao outro o que a gente quer receber, sabe?! Então acho que quando a gente fala de resistência é justamente essa de não se corromper, de não se deixar levar pelo que a gente recebe, porque mais importante do que a gente recebe é o que a gente dá para o mundo, então acho que essa resistência… quando a gente fala de resistência é principalmente disso né, que a gente tá plantando uma boa semente e por mais duro que seja aquele solo a gente tá ali regando, plantando a semente e cuidando dessa semente para que ela se torne algo melhor, trazendo algo melhor para esse mundo que a gente vive, então isso é uma luta diária, uma luta constante, principalmente nos dias de hoje que muitas pessoas perdem a esperança, muitas pessoas se perdem do caminho certo… o bem é esse trabalho de resistência, é você plantar, germinar aquela semente, cultivar ela para que ela possa crescer e florescer.”

 

Foto: Carolina Lima

As letras de Mato Seco trazem sempre mensagens de luta, amor, esperança dentre tantas outras coisas positivas que caracterizam bem o estilo do reggae. Perguntamos então que música eles acreditam ser a cara oficial da banda.

“Acho que assim uma música que expressa bem o que o Mato Seco tem para dar é a própria música Mato Seco – Resistência, mas acho que Pedras Pesadas é o que expressa bem o que a gente busca e de onde vem a nossa força, aquela coisa de “nós vamos quebrando barreiras, derrubando muros e cravando estacas com pedras pesadas”, e a nossa força vem do “quer nos ver vencer, o único que pode nos deter” é o que a gente acredita, o que a gente leva na nossa vida então acho que Pedras Pesadas… ela expressa bem o que o Mato Seco busca levar sabe?! fazer pontes através de canções, através de palavras, bons sentimentos… se quiser saber o que é Mato Seco escute Pedras Pesadas”, disse Rodrigo.

Também perguntamos se existe algum show nesses 17 anos que tenha sido marcante para eles de uma forma diferente dos demais e mesmo que para cada um possa existir um em particular que tenha sido o mais especial, eles acreditam de forma geral que cada show é uma emoção e energia diferente, segundo o vocalista “são 17 anos, todos os shows são diferentes, são novos e ao mesmo tempo é como se fosse o primeiro sabe?! Ainda tem a coisa da adrenalina, ainda tem a coisa do improviso, a emoção que a gente tá recebendo, tem muito do que a gente tá vivendo no dia, naquele momento e muito do que a gente vai receber da energia que o público passa, cada lugar tem uma energia, cada lugar é carregado de uma certa história né, a gente já teve oportunidade de tocar no Pelourinho, em Alter do Chão no meio da floresta Amazônica… cada lugar tem suas peculiaridades sabe, tivemos a oportunidade de tocar pela Europa em alguns lugares… cidades milenares… então é como o Tiago falou, a gente faz o que a gente gosta e a cada dia o que a gente faz vai se renovando, então nunca é mais do mesmo no final das contas, então todos eles (shows) são especiais, até porque a mensagem, por mais que ela é passada, por mais que a gente fala e tenta espalhar ainda não são realizações né, a paz entre os homens, a igualdade, a justiça, o amor fraternal entre as pessoas como uma forma de sociedade total, então nada disso está concretizado ainda, então se renova a cada dia porque a cada dia aparece uma coisa nova para a gente lutar”.

Novamente questionamos se eles acreditam em E.T.s e se chegaram a ver algum em Varginha, em meio à risadas eles disseram que não viram nenhum E.T, em Varginha, apesar de acreditarem na existência de seres que podem vir a somar como aprendizado para os humanos e não como algo negativo ou ruim. “A gente acredita em Deus né, no poder criador de Jah e o poder dele é infinito então para construir um universo tão grande e colocar só a gente aqui… a gente acredita no que ele faz tanto no físico, que é o que a gente tá podendo ver aqui, quanto no invisível também, que é o que a mente cria, então se a mente dele criou significa que existe sabe?! A gente só não sabe exatamente qual a forma”. Finalizou o vocalista.

 

Foto: Rodrigo Torres

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *