Dívida de hospital regional chega a R$ 50 milhões em Pouso Alegre

4122386A dívida do Hospital das Clínicas Samuel Libânio, em Pouso Alegre, já chega a R$ 50 milhões, segundo a administração da entidade. A unidade é referência para 153 municípios da região e, apenas em 2014, atendeu quase 80 mil pessoas. No entanto, por causa das dificuldades financeiras, os pacientes reclamam da falta de leitos e especialistas.

De acordo com o presidente da fundação mantenedora do hospital, o principal problema do Samuel Libânio é que demanda é bem maior do que a capacidade de atendimento.

“Nós estamos em um pronto-socorro onde a nossa primeira missão é urgência e emergência e esses casos específicos deveriam ser atendidos na atenção básica, ou seja, nos postos de saúde do município. Infelizmente elas acabam aqui no pronto-socorro e nós temos que dar priviégio àqueles que estão em uma condição pior. Quando chega um caso de urgência e emergência, todos os nossos profissionais se dedicam a esse caso, com isso gera um atraso e um descontentamento da população”, diz Rafael Simões.

No dia 16 de abril, em reunião com uma comissão da Assembleia Legislativa de Minas realizada em Pouso Alegre, apontou os valores repassados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) como outro fator de preocupação para o hospital, que também não consegue empréstimos via BNDES.

A assessoria de imprensa do Ministério da Saúde informou que, entre 2007 e 2014, mais mil itens da tabela SUS sofreram reajustes. Mesmo assim, o ministério destaca que a tabela não é a única forma de financiar os custos de um hospital. O governo afirma que tem criado mecanismos para aumentar a verba das instituições que conseguem melhorar a qualidade e a quantidade do atendimento em áreas específicas, como gestantes, urgência e emergência. A tabela SUS é composta por mais de 4 mil procedimentos. O ministério não informou se há previsão de novos reajustes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *