Coronel Motta esclarece possível mudança da ESA

O Governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, apresentou projetos na última semana, um deles, um estudo para levar a ESA de Três Corações para o estado sul do país

Redação CSul/Foto: Divulgação

Na última semana correu pela mídia uma notícia de que a Escola de Sargentos das Armas (ESA), de Três Corações, poderia ser transferida para o Paraná. No entanto, o Chefe da 5º Seção de Infantaria do Estado, Coronel José de Arimateia Motta, informou que nenhuma decisão foi tomada e que na realidade se trata de um estudo que ainda não teve início.

Ainda na semana passada, o Governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, apresentou uma proposta de parceria com o Exército para a elaboração de projetos estruturantes do Estado. Um deles viabiliza receber a possível nova estrutura da ESA.

Segundo o Coronel, o estudo para realizar a centralização dos cursos de formação e graduação de sargentos do Exercito Brasileiro, em um só lugar é antigo. “Hoje, o curso de formação de sargento é realizado em dois anos, o primeiro ano, ele é feito em treze organizações militares que estão espalhadas no território nacional e o segundo ano é realizado em três estabelecimentos de ensino, sendo um deles a ESA”, explicou.

A instituição também é responsável pela formação dos sargentos combatentes. Já a Escola de Sargento de Logística forma sargentos de intendência, material bélico, mecânico de comunicações, músicos e também sargentos de saúde. Além do Centro de Aviação do Exército que forma sargentos de aviação.

“Dessa forma nós temos 16 organizações militares que são responsáveis, dentro desse processo de formação do sargento. Isso para o Exército, demanda a quantidade de recursos elevados, tanto na manutenção da estrutura como na realização da formação, e também na movimentação dos alunos, que terminam o primeiro ano para as unidades escolares no segundo ano”, ressaltou.

Segundo o Sargento, já foi realizado na ESA um estudo de centralização dos cursos nas estruturas atuais, no entanto é necessário o aumento de estrutura. “Seria necessário uma verticalização, ainda assim o espaço atual não é suficiente para receber tanto uma infraestrutura maior, como também um efetivo de militares maior, contando inclusive com a presença dos alunos”, disse.

O militar também comentou sobre o edital de contratações assim como a possibilidade da construção de novas instalações. “O concurso de admissão hoje da ESA, é realizado para um efetivo de 1.100 alunos classificados, além destes 1.100 nos teríamos também a presença do segundo ano que varia em torno de 600 alunos. Então, dentro deste contexto foi verificado também a possibilidade de construção de novas instalações, tanto lá na atalaia, que são áreas da união pertencentes a ESA e também no nosso campo instrução, que fica localizado lá no município de São Tomé das Letras”, enfatizou.

O Coronel relatou que o estudo também não teve exito, já que foi parado por muito tempo. “O comandante do Exército determinou que fosse feito um estudo a nível nacional para poder verificar locais que sejam possíveis de instalar a ESA. Só que esse estudo não começou ainda, então o que tá sendo feito atualmente são propostas que algumas autoridades estão levantando de maneira que possa compor esse estudo, e depois que ficar pronto ser apreciado e levado a decisão do comandante do exercito.”, explicou.

Segundo o militar, o estudo ainda terá início e reforçou que “não existe nenhuma decisão de levar a ESA para o estado do Paraná.”

Prefeitura de Três Corações

Motta também mencionou que o prefeito de Três Corações se manifestou a respeito da situação. “Dentro desse contexto, o comandante da ESA foi até o prefeito da cidade de Três Corações, levou essa demanda e o prefeito apresentou inclusive uma proposta para que a centralização da ESA, fosse feita aqui mesmo no município e a área que foi oferecida, foram aquelas adjacências da colônia Santa Fé, então tudo que for falado a esse respeito ainda é muito incipiente“, contou.

Motta reforçou que após o estudo ter início, o prazo é de seis meses para ser concluído. “Outros fatores que vão influenciar nessa decisão, como por exemplo a própria conjuntura nacional e também a prioridade estabelecida, pelo próprio comandante do exercito, os objetivos estratégicos do exercito”.

Ainda conforme o coronel, “qualquer coisa que seja falado a esse respeito, qualquer decisão que alguém possa veicular a respeito da saída da ESA, por enquanto é muito incipiente. Nada foi feito ainda e também nenhuma decisão foi tomada, inclusive uma das propostas que vai ser colocada para que esse estudo seja iniciado, é essa da área que foi oferecida pela Prefeitura de Três Corações, nas adjacências da colônia Santa Fé. Essa é a situação atual.” encerrou.

Dalmo Ribeiro

A respeito da situação atual, o deputado estadual Dalmo Ribeiro iniciou um movimento para garantir a permanência da ESA, na cidade do Sul de Minas. O deputado apresentou requerimento à Presidência da Assembleia Legislativa de Minas Gerais pedindo providências ao governador Romeu Zema.


Foto: Guilherme Dardanhan

“Não mediremos esforços para que a ESA continue instalada em Três Corações. A escola tem uma grande importância não só para a história da cidade, como também no aspecto econômico. É uma das marcas do Sul de Minas e não podemos perdê-la. Precisamos mostrar, com urgência, que já temos uma estrutura muito grande da ESA em Três Corações, portanto muito mais viável expandir a presença já existente. Essa é uma causa que merece ampla atenção dos colegas parlamentares, lideranças locais e do governador Romeu Zema”, afirma Dalmo Ribeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *