Chediak-Higashi: Garoto encontra doadores de medula óssea

 A família do menino Gabriel Souza, de 3 anos, comemora a informação de que foram encontrados dois doadores para o tão sonhado transplante de medula óssea. O garoto vive em Campo Belo e em fevereiro deste ano foi diagnosticado com a síndrome de “Chediak-Higashi”, uma doença que ataca o sistema imunológico. Desde então, a família corria contra o tempo para encontrar um doador.

A síndrome de Chediak-Higashi é uma alteração genética ainda sem causa definida, que afeta e enfraquece o sistema imunológico. Quando atacado por um vírus ou bactéria, reage contra o próprio organismo. A doença se caracteriza pelo albinismo parcial e por isso é conhecida também como síndrome do cabelo prateado.

Como a síndrome não tem cura, a esperança é um transplante de medula óssea. Agora, a família do menino Gabriel, que está internado no Instituto da Criança do Hospital das Clínicas, em São Paulo, aguarda que o quadro de saúde do garoto esteja mais estável para que a cirurgia possa ser marcada.

O mutirão
No dia 12 de março deste ano, a Secretaria de Saúde de Campo Belo e o Hemominas dePoços de Caldas (MG) realizaram um mutirão para fazer o cadastro e a coleta de sangue das pessoas interessadas em doar medula óssea para o garoto. Na ocasião, uma equipe do Hemominas esteve em Campo Belo.

Sobre o tratamento
Para se manter estável, o garoto precisa tomar nove tipos de medicamentos, sendo que um deles custa R$ 3 mil. Por isso, a família conta com a ajuda de amigos para controlar a doença e custear o tratamento de Gabriel. Pelas redes sociais, amigos chegaram a criar uma campanha para arrecadar dinheiro.

De acordo com a pediatra, Rose Santana, que acompanha o caso de Gabriel, estima-se que ao menos 200 pessoas em todo o mundo tenham a síndrome.

O caso do menino continua sendo estudado por médicos do Hospital das Clínicas de São Paulo, porque, diferente de outros portadores da síndrome, Gabriel consegue responder aos tratamentos e resiste às infecções.

Ação em Campo Belo (MG) vai tentar encontrar doadores de medula para o menino (Foto: Reprodução EPTV)
Como a síndrome não tem cura, esperança é um transplante de medula óssea (Foto: Reprodução EPTV)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *