Cerca de 60 mil pessoas participam da festa de 113 anos da morte de Padre Victor em Três Pontas

Neste domingo (23), foi comemorado o aniversário de 113 anos da morte do Beato Padre Victor, em Três Pontas. A cidade viveu dias de intensas alegrias e fervorosas demonstrações de fé, durante a novena, que lotou a igreja dedicada ao Beato, e neste final de semana com a véspera e o dia da morte do padre.

Um grande número de romeiros foi registrado já no sábado, na véspera das comemorações, que vinham de cidades vizinhas e de todos os cantos de Minas e do Brasil. De acordo com a organização, mais de 60 mil pessoas passaram pela cidade durante a festa do Beato.

Caminhada a pé

Foto: Equipe Positiva

Várias pessoas da região caminharam a pé até a igreja onde estão depositados os restos mortais do Beato Padre Victor, para celebrar os 113 anos de sua morte. Na rodovia MG 167 entre Três Pontas e Varginha, era possível registrar um grande número de pessoas que caminhavam a pé como ato de fé e devoção ao Beato.

Durante todo o trajeto, cinco pontos de apoio foram montados por voluntários que dedicaram seu tempo e até os próprios recursos para distribuir água, pão, leite e café, além de muito carinho.

Polícias ajudaram a controlar o trânsito durante todo o dia / Foto: Equipe Positiva

Na saída de Varginha, a Polícia Rodoviária Estadual, distribuiu adesivos refletivos para centenas de romeiros, aumentando assim a segurança para caminharem até Três Pontas. Viaturas de resgate também estavam à disposição dos romeiros.

Quem chegava de Carmo da Cachoeira até a ‘Capelinha’ para celebrar a data, também contou com a ajuda de voluntários que mantendo a tradição, montaram pontos de apoio e recepção aos romeiros. Eles distribuíram água, café com leire, pão com manteiga, além de músicas e orações à quem estava demonstrando o ato de fé na caminhada a pé.

Na MG 167, em Santana da Vargem, também foi possível registrar pontos de apoio aos romeiros. Seguindo a tradição de 26 anos, deixada pelo sogro, o agricultor Tristão Antônio Nogueira montou uma barraca na beira do asfalto onde foi servido água, café com leite, banana, refrigerante e cachorro quente.

Foto: Equipe Positiva
Foto: Equipe Positiva
Foto: Equipe Positiva

Véspera

 

Desde as primas horas de sábado (22), véspera do aniversário de morte do Beato, um grande número de romeiros já era registrado em Três Pontas. O trânsito foi interrompido em vários pontos da cidade, para que os moradores e visitantes pudessem assistir e participar com êxito das missas que foram celebradas ao longo do dia.

Na celebração das 15h, foram queimados os pedidos feitos por fiéis que, desde o dia 14 de setembro, participam da novena na Matriz Nossa Senhora D’Ajuda nos três horários disponíveis. Até as 16:00, a Associação Padre Victor havia informado que cerca de 30 romarias de várias localidades já haviam registrado a presença na cidade.

Dia do Beato

O dia em comemoração à morte do padre teve início logo às 4h30 da manhã, com a Alvorada pela Corporação Musical “Luiz Antônio Ribeiro”.

Quando o sol nasce, os trespontanos já estão retornando às suas casas depois de uma madrugada inteira de caminhada, até a Capela Santa Cruz, a Capela de Padre Victor, na Comunidade rural da Faxina. Muitos voltam a pé, outros de carro ou nos ônibus disponibilizados pela Prefeitura. Milhares de devotos participam da procissão, organizada pela Paróquia Nossa Senhora D’Aparecida. O bispo emérito da Diocese da Campanha, Dom Diamantino Prata de Carvalho, fez questão de fazer o percurso de sete quilômetros e celebrar missa ao lado do pároco Padre André Rodrigues Villas Boas. Na homília, a trajetória de vida do Beato é retratada e pregada como exemplo a ser seguido.

Às 15h30, houve a Procissão da Penitência, coordenada pelos paroquianos da Paróquia Nossa Senhora Aparecida. Durante todo o dia houve atendimento de confissões individuais no salão paroquial da cidade.

Durante todo o dia, diversas missas foram celebradas na Matriz Nossa Senhora D’Ajuda, onde estão depositados os restos mortais de Francisco de Paula Victor. Os romeiros e visitantes puderam participar nos horários de 5h, 6h30, 9h, 10h30, 12h30, 14h30, 16h, 17h30 e 19h. Além dessas, outras duas missas foram celebradas na cidade, às 6h na Capela Santa Cruz (Capela do Padre Victor), na zona rural da Faxina, e às 10h no Parque da Mina.

Além disso, um telão foi montado do lado de fora da igreja para que quem não conseguisse participar da missa do lado de dentro, devido ao grande número de fiéis que estava na cidade. Padres e seminaristas da diocese e de outros locais também estiveram presentes em todas as celebrações do dia.

Acidentes

Segundo informações das redes sociais, dois atropelamentos foram registrados no trajeto entre Varginha e Três Pontas, não confirmados pela Polícia. Em um deles, segundo testemunhas, que teria acontecido por volta da 1h, uma das vítimas teve fratura exposta em um dos braços. No outro, por volta das 4h30, a vítima teria sofrido um politraumatismo, sendo encaminhado ao Hospital Bom Pastor, em Varginha. Em contato com o Hospital e a PRF, não obtivemos respostas sobre os casos relatados.

Biografia

Imagem reproduz o que seria uma das únicas fotografias tiradas de Padre Victor (Foto: Arquivo Secretaria de Cultura de Três Pontas)

Padre Victor nasceu em Campanha – MG, no dia 12 de abril de 1827 e foi batizado, em 20 de abril do mesmo ano, pelo Padre Antônio Manoel Teixeira. Era filho da escrava Lourença Maria de Jesus. Sua madrinha de Batismo foi a senhora Marianna Bárbara Ferreira.

Dom Antônio Ferreira Viçoso, bispo de Mariana – MG, visitou Campanha – MG no ano de 1848. Victor, então alfaiate, procurou Dom Viçoso na ocasião, manifestando-lhe o desejo de ser padre. O Bispo o recebeu com grande alegria. O jovem dirigiu-se da cidade de Campanha – MG ao Seminário de Mariana – MG, onde foi aceito em 05 de junho de 1849.

O bispo Dom Viçoso o apoiava e muito o estimava, chegando a proclamar as virtudes desse jovem. Ordenado em 14 de junho de 1851, permaneceu em Campanha – MG, como coadjutor, de 17 de agosto de 1851 até 13 de junho de 1852. Veio para Três Pontas – MG, em 14 de junho do mesmo ano, como Vigário Encomendado. Logo que assumiu seus trabalhos na Paróquia, visitava doentes, amparava os inválidos, zelava pela infância desvalida, atendia a população em suas necessidades. A sua dedicação, as suas virtudes o fizeram admirado por todos, pois assumiu a direção da Paróquia, com zelo e carinho, colocando-se, assim, acima de todas as críticas. Procurou catequizar e instruir o seu povo, chegando a criar a escola “Sagrada Família”, com uma organização perfeita. Por ele passaram brasileiros de grande projeção social: Dom João de Almeida Ferrão, primeiro bispo de Campanha – MG; Cônego José Maria Rabello, que foi seu coadjutor em Três Pontas. Padre Victor instruiu muitos filhos de famílias humildes, fazendo deles grandes homens de cultura, que passaram a viver da inteligência, nas mais variadas profissões.

Padre Victor pregou, pelo exemplo, a fé, a esperança, a fortaleza, a prudência, a justiça, a obediência, a castidade, a temperança, a humildade, o temor a Deus e, sobretudo, a caridade. Amava a Deus na pessoa do seu semelhante, de modo especial nos mais pobres. Os paroquianos, em suas necessidades, recorriam a ele. Era bom, porém enérgico.  “Padre Victor vivia de esmolas e dava esmolas”.

Paroquiou Três Pontas – MG, por cinquenta e três (53) anos. Faleceu no dia 23 de setembro de 1905. A notícia abalou a cidade e toda a região, que já o venerava. A população chorou a morte de seu líder, de seu protetor, do mensageiro entre Deus e os homens. Ficou insepulto três dias e, de seu corpo,  exalava perfume. Tendo em vista o grande número de pessoas que compareceram ao sepultamento, fez-se necessário fazer uma procissão pelas ruas da cidade, voltando novamente à Matriz – por ele construída – onde foi enterrado.

Padre Francisco de Paula Victor é considerado pelos trêspontanos como o seu “Anjo Tutelar”.

 

Informações

Todos os domingos, às 10h30, é celebrada a Santa Missa na Matriz de Nossa Senhora d´Ajuda, Três Pontas – MG, pela Canonização do Beato Padre Victor, com uma bênção especial.

Visitas ao acervo, registro de graças e de romarias podem ser comunicadas no Memorial Padre Victor, Praça Cônego Victor, n.º 45 – Três Pontas – MG.

Doações

Dados bancários: Caixa Econômica Federal
Agência: n.º 0157 – Três Pontas – MG
– Operação n.º 013 – Conta n.º 56000 2
– Operação n.º 003 – Conta n.º 501234 0

Ou pessoalmente na Associação Padre Victor de Três Pontas – Praça Cônego Victor, n.º 45 – 37190-000 – Três Pontas – MG

Redação CSul – Iago Almeida / Com informações de Equipe Positiva e Associação Padre Victor / Foto destaque: Equipe Positiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *