Câmara aprova projeto que repassa recursos para hospitais em Poços

O projeto de lei do Executivo que autoriza a transferência de recursos financeiros do Departamento Municipal de Eletricidade (DME) no valor de R$ 4,2 milhões para a Santa Casa e para o Hospital Santa Lúcia, foi aprovado por unanimidade pelos vereadores em sessão extraordinária realizada na Câmara Municipal nesta sexta-feira (24), em Poços de Caldas.

Desse total, serão repassados R$ 1,8 milhão para regularização dos atendimentos da Unidade de Atendimento de Alta Complexidade (Unacon).

“Esse valor não regulariza a situação, ele é parte do pagamento de um extrapolamento dos munícipes de Poços de Caldas. Com 50% desse montante, vamos quitar o pagamento dos médicos, dos prestadores de serviços e fornecedores, considerando até maio. Mas o valor aproximado dos débitos da conta global com as diárias dos pacientes que estiveram internados na UTI é R$ 2 milhões”, explica a superintendente da Santa Casa, Renata de Cássia Santos.

Ainda de acordo com a superintendente, o recurso repassado pelo Governo Estadual não é suficiente nem para a população de Poços de Caldas.

“Considerando os dois códigos que são cobrados pelo prestador para a realização de serviços, hoje seria necessário um teto para 22 cirurgias somente para a população de Poços, sendo que hoje nosso credenciamento é somente de seis”, comentou.

O valor destinado para a Santa Casa ajudará a cobrir parte das despesas da instituição com os atendimentos já realizados em pacientes do município. Entretanto, o déficit com os atendimentos aos usuários do SUS vindos dos 80 municípios atendidos pela Santa Casa não serão sanados.

Vereadores votaram a favor do projeto em Poços de Caldas (MG) (Foto: Lúcia Ribeiro)Vereadores votaram a favor do projeto em Poços de Caldas (Foto: Lúcia Ribeiro)

“Não podemos pegar impostos pagos pelos cidadãos poçoscaldenses e pagar teto de outros municípios. Por isso é importante que os outros municípios comecem a se mobilizar, buscar os seus agentes políticos e nos ajudar. Até o presente momento, nenhum dos 80 municípios se mobilizou no sentido de ajudar a Santa Casa, então é hora de nos unirmos, porque não podemos pegar um recurso do DME que é dinheiro do povo de Poços e pagar extrapolamento de outros municípios. Mesmo assim a Santa Casa continua a atender todas as pessoas, porque é referência dessas 80 cidades. Essa é a pactuação que foi feita no Estado e, independente de qualquer coisa, a Instituição vai cumprir com esses atendimentos”, explicou a presidente da Câmara Regina Cioffi.

Além do repasse para a oncologia, será destinado mensalmente o valor de R$ 400 mil até dezembro para ampliação dos atendimentos de urgência e emergência. Desses recursos, R$ 200 mil serão para a Santa Casa e os outros R$ 200 mil para o Hospital Santa Lúcia, que presta atendimento no setor de cardiopatia e acidentes vasculares

“Eu comparo a atual situação ao que chamamos de dilema médico. Se temos uma verba mensal do SUS com um valor x, para atender todos os pacientes que têm infarte ou derrame, imagine se chegássemos no dia 15 ou 20 do mês e o dinheiro tiver acabado. O que faríamos se no dia 16 ou 21 chegasse um paciente infartado. Colocariamos uma placa dizendo que a pessoa sofreu um infarto na hora errada e pedindo pra voltar daqui há 15 dias? Nós não podemos fazer isso. Temos que atender. E esse repasse autorizado hoje vai salvar vidas”, comentou o diretor do Hospital Santa Lúcia, Dr. Assad Aun Netto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *