Porto de Santos faz hackathon para integrar órgãos governamentais em planos de emergência

Prazo para inscrição em maratona tecnológica, que vai pagar o maior prêmio em dinheiro do Brasil, foi prorrogado até 20 de novembro; Maior porto da América Latina, o Porto de Santos é responsável por 33 mil empregos, responde por um terço das trocas brasileiras com o exterior e registrou participação de 28% na balança comercial em 2018

Foram prorrogadas até 20 de novembro, as inscrições para a Porto Hack Santos, uma maratona tecnológica que vai pagar R$ 60 mil para a equipe vencedora e R$ 12 mil para a vice-campeã, o maior prêmio em dinheiro já oferecido em hackathons no Brasil.  A competição, que acontece nos dias 7 e 8 de dezembro, terá 30 horas de duração, no Comfort Hotel, em Santos, litoral de São Paulo.

A maratona visa encontrar soluções tecnológicas em dois desafios. O primeiro é integrar os planos de emergência aos órgãos governamentais no Porto de Santos, para minimizar impactos dos sinistros aos trabalhadores, população do entorno e terminais. O segundo é reduzir o tempo de movimentação de cargas, a fim de diminuir custos para os terminais e recintos alfandegados, uma mudança que poderá gerar impactos positivos na economia nacional.

Dez equipes

Entre os inscritos serão selecionados 10 times, com seis integrantes cada. As equipes participantes deverão ser multidisciplinares tendo obrigatoriamente que ser formados por seis tipos de especialistas: em negócios (especialista do porto); marketing/vendas; product owner/service desing; desenvolvedor front end UX/UI; desenvolvedor backend e um especialista em blockchain, inteligência artificial ou IoT (internet das coisas).

O Porto Hack Santos, que é organizado pela Zero Treze Innovation Space, faz parte das ações de comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Terminais e Recintos Alfandegados – Abtra, com o objetivo de elevar a transformação digital do Porto de Santos a um novo patamar de inovação.

Um porto para o futuro

Além de premiar o maior valor em dinheiro já pago em hackathons no Brasil, o  Hack Porto Santos tem outra iniciativa inédita: inclui uma ação social.

Denominado “Um porto para o futuro”, o  projeto  vai selecionar 60 filhos de trabalhadores de baixa do Porto de Santos, entre 10 e 16 anos, indicados pelos associados da Abtra, para o aprendizado de tecnologia oferecido pelo Instituto AmiGu, que leva educação tecnológica a crianças e adolescentes carentes com o objetivo de evitar que sejam excluídos do mercado de trabalho futuramente.

As aulas serão ministradas todos os sábados, entre fevereiro e julho de 2020. Será uma imersão em tecnologias exponenciais (Inteligência Artificial, IOT, robótica, cloud computing, sistemas operacionais, Integração de APIS).

Fonte: Polo de Comunicação / Foto: Reprodução/Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *