Popularidade de Alckmin cai e vai a 28%, aponta Datafolha

??????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

A popularidade do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), caiu e atingiu a pior marca, segundo pesquisa do Instituto Datafolha divulgada nesta sexta-feira (4) pelo jornal “Folha de S.Paulo”. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Confira o resultado:
– Ótimo/bom: 28%
– Regular: 40%
– Ruim/péssimo: 30%
– Não sabe/não respondeu: 2%

Na pesquisa divulgada em outubro do ano passado, 48% dos entrevistados avaliavam o governo como ótimo ou bom. Em fevereiro deste ano, o índice caiu para 38%. Agora chegou a 28%.

Os que consideravam o governo regular eram 34% em outubro do ano passado. Em fevereiro deste ano, subiu para 36% e, agora, chegou a 40%.

Os que consideravam o governo ruim ou péssimo eram 17% em outubro do ano passado. Em fevereiro esse índice foi para 24% e, agora, está em 30%.

Nas três pesquisas 2% dos entrevistados não souberam responder. A pesquisa foi realizada entre os dias 25 e 26 de novembro com 1.350 eleitores em 47 cidades do estado.

Segundo o jornal “Folha de S.Paulo”, essa é a primeira vez que, numericamente, há mais pessoas desaprovando o governo do tucano.

Reestruturação do ensino
A pesquisa também abordou a reestruturação do ensino. A maioria (61%) se diz contra (enquanto 29% são a favor). Os jovens são os que mais desaprovam a medida: 69% deles.

Sobre as ocupações de escolas, 55% dos entrevistados apoiam os atos -outros 40% são contra. O jornal ressalta que a pesquisa foi feita antes de os manifestantes irem para as ruas da capital, com bloqueio do trânsito.

Crise hídrica
Outro assunto questionado foi a crise hídrica. Um terço (33%) disse que teve o fornecimento interrompido ao menos uma vez no último mês. Sobre as informações divulgadas sobre a questão pelo governo, 80% disseram acreditar que o governo só fornece informações que lhe interessam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *