Mulher diz que conversa com jurado no Rio em áudio foi ‘mal interpretada’

A bióloga Roberta Santiago confirmou nesta quinta-feira (25) que a voz na conversa gravada com o jurado da Liesa Fabiano Rocha era mesmo dela. O áudio é investigado pela Delegacia Especial de Crimes contra a Fazenda (Delfaz) no inquérito aberto após denúncias de uma suposta fraude na apuração do carnaval do Rio. Para ela, a conversa foi “mal interpretada”.

Roberta Santigo depôs sobre suposta fraude no carnaval do Rio (Foto: Henrique Coelho/G1)
Roberta Santigo depôs sobre suposta fraude no carnaval do Rio (Foto: Henrique Coelho/G1)

“Só ele [Laíla, diretor da Beija-Flor, que denuncionou suposto favorecimento à Unidos da Tijuca após ouvir a conversa] pode dizer como chegou até ele [o áudio]. Vim aqui porque a delegada queria saber se era eu conversando com o Fabiano, e era eu mesmo”, explicou.

Roberta chegou por volta das 13h na Cidade da Polícia, na Zona Norte do Rio, e afirmou que é amiga de Fabiano. Os dois prestarem depoimento na segunda-feira (22).

“Sou amiga dele há 25 anos, foi somente uma conversa. E ele é um profissional, acredito que ele seja julgador pela sua própria competência”, disse.

O marido de Roberta, Fabiano Cabral, diretor de bateria da Imperatriz Leopoldinense, também prestou depoimento na delegacia. Roberta disse que não voltou a encontrar Fabiano pessoalmente após a divulgação dos áudios. “Ele ficou chateado pelo afastamento, até por ter sido depois de uma conversa nossa”, lamentou.

Relembre o caso
Após a apuração do resultado dos desfiles, o diretor de carnaval da Beija-Flor, Laíla, levantou suspeitas sobre o resultado em entrevista ao jornal “O Dia” e, posteriormente, ao jornal  “O Globo”. Ele declarou que havia a intenção de favorecer a Unidos da Tijuca – vice-campeã – para que ela vencesse a disputa.

O diretor afirmou ter uma gravação de um jurado afastado momentos antes dos desfiles dizendo que poderia tirar notas das baterias da Imperatriz Leopoldinense, da Acadêmicos do Salgueiro e da Beija-Flor.

O jurado de bateria Fabiano Rocha foi afastado pela Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) antes dos desfiles. O presidente da liga, Jorge Castanheira, afirmou que Rocha foi tirado do júri por pré-julgar as escolas, mas negou irregularidades na apuração, já que Rocha não participou.

Foram conferidas às três escolas a maior nota dada no quesito bateria pelos outros três julgadores.(Confira abaixo as notas de bateria de cada agremiação)

Confira as notas de bateria das escolas do Rio (Foto: Reprodução)

O que diz a Unidos da Tijuca
O presidente da Unidos da Tijuca, Fernando Horta, disse que não vai falar sobre o assunto. A escola divulgou uma nota na qual repudia a suspeita de fraude no carnaval e que diz que trabalha durante o ano inteiro e com profissionais competentes para fazer o melhor e conquistar o título.

Fonte: G1 Rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *