MPF diz que Cabral recebeu quase R$ 145 milhões de propina em esquema no transporte do RJ

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral foi denunciado mais duas vezes pelo Ministério Público Federal por centenas de crimes de lavagem de dinheiro e contra o sistema financeiro, além de organização criminosa. De acordo com o órgão, há provas de que, a partir da “caixinha de propina”, 26 empresas de ônibus fizeram repasses a políticos de mais de R$ 250 milhões entre janeiro de 2013 a fevereiro de 2016.

Foi a 14ª vez que Cabral foi denunciado. Em uma delas, a única em Curitiba, o ex-governador foi condenado. As outras ainda não foram sentenciadas pelo juiz da 7ª Vara Federal no Rio, Marcelo Bretas.

Além de Cabral, outras 23 pessoas também foram denunciadas. As investigações apontaram que a propina da Fetranspor, que reúne 10 sindicatos de empresas do ramo de transportes, destinou R$ 144,7 milhões para o ex-governador entre julho de 2010 e outubro de 2016, além de R$ 43,4 milhões de julho de 2010 a fevereiro de 2016 ao ex-presidente do Departamento de Transportes Rodoviário do Estado do Rio de Janeiro (Detro) Rogério Onofre.

Para o Ministério Público, já ficou comprovado que o dano causado pela organização criminosa liderada pelo ex-governador é enorme. “Desde a Calicute, nós avançamentos muito nessa definição da extensão do dano causado pela organização criminosa chefiada por Cabral. De fato, fica difícil imaginar o final. Basta ver no organograma da administração pública. Nós fizemos a Operação Fratura Exposta, da Secretaria de Saúde, agora na Secretaria de Transportes, na de Obras. Parece que ainda há muita coisa a ser feita”, afirmou o procurador da república Leonardo de Freitas.

Agora, o ex-governador já é denunciado em 14 processos. Em um deles, foi condenado a 14 anos e 2 meses de prisão. As outras 13 denúncias ainda serão julgadas.

A Força-Tarefa da Lava Jato ainda pediu que, junto com a condenação dos denunciados, a Justiça determine o bloqueio de pelo menos R$ 520 milhões para reparar os danos causados pela organização com esses crimes.

Procuradores detalham esquema de corrupção desvendado com a Operação Ponto Final (Foto: Fernanda Rouvenat / G1 Rio)

Com os repasses, empresários como José Carlos lavouras, Jacob Barata Filho, Lélis Teixeira, Marcelo Traça e João Augusto Monteiro garantiam a hegemonia no setor de transportes, benefícios na política tarifária e de gestão desse serviço público.

Ainda de acordo com a denúncia, para desviar recursos e remetê-los ao exterior, a organização se estruturou em quatro núcleos interdependentes: econômico (donos de empresas de ônibus à frente da Fetranspor); administrativo (gestores do Estado que pediam vantagens indevidas pagas por empresários); financeiro-operacional (responsáveis por operações para lavar ativos); e político (ex-governador e líder da organização).

A propina era recolhida nas garagens das empresas de ônibus e, muitas vezes, guardadas em transportadoras de valores. Entre os fatos narrados na denúncia estão a concessão do aumento das passagens de ônibus intermunicipais em 7,05% e o desconto de 50% no IPVA das empresas de ônibus em janeiro de 2014.

De acordo com o MPF, “são duas operações distintas, em momentos distintos”, a Eficiência e a Ponto Final. Apesar disso, os procuradores afirmam que elas revelam um entrelaçamento típico de uma organização criminosa única.

Senha para recolher a propina

Segundo o procurador da República José Augusto Vagos, para terem uma garantia de que quem ia recolher o valor da propina era realmente a pessoa certa, havia uma senha que deveria ser dita aos operadores no recebimento do dinheiro. Palavras como “melancia”, “margarida” e “abacaxi” estavam nas anotações.

Na contabilidade do Álvaro Novis, havia toda a descrição com a senha que deveria ser usada, o valor da propina e o dia da entrega. Essas informações, segundo o MPF, batem com a contabilidade de Renato Shebat, que diz também que repassava valores a Sergio Cabral.

“Temos um arcabouço de provas muito bom, em relação a essa denúncia. A contabilidade do colaborador Álvaro Novis bate com a contabilidade do Renato Shebat.

Essa contabilidade, com relação à pagamentos feitos a Carlos Miranda e, indiretamente, a Sergio Cabral, bate em valores e, inclusive, nas senhas que eram usadas para a retirada do dinheiro”, disse o procurador.

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral deixa a sede da 7ª Vara da Justiça Federal do Rio de Janeiro, na região central do Rio de Janeiro, após ser interrogado na manhã desta segunda-feira, 10. Cabral está preso desde novembro do ano passado, acusado de chefiar um esquema de corrupção que teria movimentado centenas de milhões de reais. Em maio, o ex-governador foi transferido do Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio, para um presídio reformado em Benfica, na zona norte, onde ficava o antigo Batalhão Especial Prisional (BEP) e atualmente abriga detentos com diploma de nível superior ou acusados de não pagamento de pensão. 10/07/2017 (Foto: FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO)
O ex-governador do Rio Sérgio Cabral deixa a sede da 7ª Vara da Justiça Federal do Rio de Janeiro, na região central do Rio de Janeiro, após ser interrogado na manhã desta segunda-feira, 10. Cabral está preso desde novembro do ano passado, acusado de chefiar um esquema de corrupção que teria movimentado centenas de milhões de reais. Em maio, o ex-governador foi transferido do Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio, para um presídio reformado em Benfica, na zona norte, onde ficava o antigo Batalhão Especial Prisional (BEP) e atualmente abriga detentos com diploma de nível superior ou acusados de não pagamento de pensão. 10/07/2017 (Foto: FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO)

Confira a lista dos denunciados:

  • Sérgio de Oliveira Cabral Santos Filho
  • José Carlos Reis Lavouras
  • Jacob Barata Filho
  • Lélis Marcos Teixeira
  • Marcelo Traça Gonçalves
  • João Augusto Morais Monteiro
  • Álvaro José Galliez Novis
  • Edimar Moreira Dantas
  • Rogério Onofre de Oliveira
  • Cláudio Sá Garcia de Freitas
  • Dayse Deborah Alexandra Neves
  • Alexsander Luiz de Queiroz Silva
  • Bernardo Lederman Zajd
  • Carlos Emanuel de Carvalho Miranda
  • Luiz Carlos Bezerra
  • Márcio Marques Pereira Miranda
  • David Augusto da Câmara Sampaio
  • Eneas da Silva Bueno
  • Octacílio de Almeida Monteiro
  • Carlos Roberto Alves
  • Regina de Fátima Pinto Antonio
  • Eni da Silva Gulineli
  • Claudia da Silva Souza Ferreira
  • Francisca da Silva Medeiros

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *