Ministério da Agricultura divulga relatório de resultados do GT de Agrometeorologia

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento publicou nesta quinta-feira (29) o relatório dos resultados do Grupo de Trabalho de Agrometeorologia com o objetivo de diagnosticar e propor aprimoramentos da atuação do ministério nos serviços de meteorologia agrícola e monitoramento climático. O GT foi criado em 21 de fevereiro de 2019, pela Portaria 714.

O grupo de especialistas recebeu um questionário, disposto em diagnóstico, diretrizes e ações para avaliar a situação atual e sugerir propostas de ações prioritárias para os serviços de agrometeorologia e monitoramento climático. Durante os últimos meses, os técnicos se dedicaram a consolidar o relatório.

O GT foi composto por representantes da Secretaria de Política Agrícola (SPA/Mapa), Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação (SDI/Mapa), Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Federação Nacional de Seguros Gerais (Fenseg), Federação Nacional das Empresas de Resseguros (Fenaber) e Associação dos Produtores de Soja do Brasil (Aprosoja).

Seminário no Inmet

Nessa quarta-feira (28), o Inmet organizou um seminário na sua sede em Brasília visando dar continuidade aos trabalhos e reuniu representantes de entidades e instituições de usuários dos serviços de agrometeorologia.

Durante o seminário, o diretor do Inmet, Carlos Edison Carvalho Gomes, explicou que é prioridade institucionalizar uma governança apta para identificar e receber demandas de serviços de agrometeorologia, captar recursos, coordenar ações e projetos. Por isso, as ações prioritárias previstas no relatório do GT serão coordenadas pelo instituto, com contribuição da SPA, Conab e Embrapa.

Para Pedro Loyola, diretor do Departamento de Gestão de Riscos do Mapa, que participou da coordenação do GT, “melhores serviços de meteorologia agrícola e de monitoramento podem prover os agentes privados e públicos com dados e previsões mais adequadas das situações climáticas que afetam as atividades do setor produtivo”.

Essas informações meteorológicas e climatológicas são fundamentais para os produtores e para o funcionamento das políticas agrícolas como o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), Seguro da Agricultura Familiar (Seaf), Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), Garantia Safra (GS) e Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), que oferecem ao produtor a possibilidade de mitigar riscos das perdas decorrentes de intempéries climáticas adversas.

Loyola lembrou que “a informação de agrometeorologia mais acessível também contribui com o melhor planejamento dos empreendimentos, mitigando as perdas por adversidades climáticas e representam redução de custos de produção como o valor das apólices de seguro rural e a otimização do uso de insumos agropecuários”.

Em setembro, será realizada reunião no Inmet de coordenação e para instituir a governança prevista no relatório do GT para colocar em prática um cronograma de ações prioritárias para melhorar os serviços de agrometeorologia.

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento / Foto: Reprodução / O Documento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *