Mesmo com retomada lenta pós-crise, pessimismo entre universitários é o menor em três anos, revela pesquisa da Companhia de Estágios

A 4ª edição do levantamento anual apresenta as perspectivas dos jovens em relação ao mercado de trabalho

Desde o início da crise econômica, em 2014, milhares de brasileiros ficaram desempregados e tiveram que adiar planos. E embora o Brasil ainda esteja se recuperando dessa recessão, mesmo que em passos lentos, há quem enxergue que este ano o cenário pode melhorar, especialmente, para os que estão buscando uma oportunidade de estágio. Pelo menos é o que mostra a pesquisa “O perfil do candidato a vagas de estágio em 2019”, realizada pela Companhia de Estágios – consultoria e assessoria especializada em programas de estágios e trainee.

O levantamento que tem como objetivo entender qual a perspectiva socioeconômica sob o olhar dos jovens que estão iniciando a carreira profissional, indica que o pessimismo com relação ao mercado de trabalho diminuiu nos últimos três anos, o indicador aponta quem em 2017, 12,9% dos entrevistados acreditavam que o mercado não iria melhorar, porém, nesta última edição da pesquisa, realizada em março deste ano, esse número diminuiu para 9%, mostrando mais confiança entre os estudantes, por outro lado, mesmo que o otimismo tenha aumentado, 58% dos participantes que responderam à pesquisa ainda estão em busca do seu espaço no mercado.

O perfil dos entrevistados

Para chegar nesses dados, a Companhia de Estágios contou com a participação de 4.044 estudantes em diversas regiões do país em pesquisa feita de 25 de fevereiro até 28 de março, sendo que, a maioria representa a região sudeste com 75% das respostas; logo em seguida vem o nordeste, com 9%; a região sul, com 5%; região centro-oeste, também com 5% e por último a região norte com 4%.

Desses entrevistados, mais da metade estão cursando ensino superior, que equivale a 79% das respostas obtidas. A pesquisa teve mais aderência entre as mulheres com 65% de participação contra a dos homens com 35%. A maior adesão foi entre os jovens de 17 a 20 anos, entretanto, o levantamento teve um resultado curioso: os mais velhos também participaram, e em comparação com ultimo triênio, houve um aumento de 25% de estudantes com idade acima de 30 anos buscando por uma oportunidade de estágio.

O que esperam do estágio?

De acordo com a pesquisa, os universitários não estão colocando a remuneração como prioridade na busca por estágio, uma vez que, 73% dos entrevistados afirmam que procuram, em primeiro lugar, a possibilidade de colocar em prática os conhecimentos adquiridos na universidade, diante disso, apenas 8% dos participantes consideram o valor da bolsa-auxílio como fator mais importante.

Dos jovens que já estão estagiando, 56% dizem que já se sentem preparados para o mercado formal, sendo que, 37,6% esperam ser efetivados na empresa em que estagiam. No entanto, 13% dos participantes que ainda não estão em um programa de estágio, admitem que precisam melhorar o currículo para se candidatar a uma vaga.

Gastos com educação

Ao que se refere aos custos com ensino superior, 27% dos universitários são responsáveis pelo pagamento da mensalidade da universidade, sendo que, 81,5% estudam em instituições privadas. Contudo, 22,5% têm os estudos pagos pelos familiares e 29% possuem bolsa integral ou estudam em uma universidade pública.

Quanto ao aprimoramento de habilidades, 59% alegam que dominar um segundo idioma é o principal desejo para conseguir melhorar o currículo. No entanto, o comportamento do universitário com relação ao aperfeiçoamento de habilidades tem mudado, pois houve um crescimento de 6% de jovens que querem melhorar as habilidades interpessoais. Em consequência disso, alguns estudantes estão realizando trabalhos voluntários para valorizar o currículo e, consequentemente, trabalhar melhor outras competências, como a liderança, por exemplo. Embora apenas 0,7% têm optado por este tipo de atividade, o número, mesmo que tímido, demonstra uma tendência que surgiu nos últimos anos.

Ferramentas para busca de estágio

Os sites especializados em recrutamentos são as principais ferramentas para buscar um estágio. 44% dos entrevistados que já são estagiários, conquistaram uma vaga por meio desses sites, já 28% conseguiram por meio de indicação e 12% por plataformas ou aplicativos de divulgação de vagas.

No entanto, o Linkedin tem ganhado cada vez mais adeptos no que diz respeitos ao uso das redes sociais, 60% dos entrevistados afirmam que utilizam o site para encontrar oportunidades de estágio. A propósito, o WhatsApp aparece pela primeira vez na pesquisa, mesmo que em quantidade menos expressiva, já que apenas 0,6% usam grupos de conversas no aplicativo para se candidatar as vagas.

Saiba mais

Quer ver o resultado completo? Baixe gratuitamente a pesquisa “O perfil do candidato a vagas de estágio em 2019” e veja os detalhes do levantamento realizado pela Companhia de Estágios.

Sobre a empresa

Fundada em 2006, a Companhia de Estágios tem atuação nacional e impacta mais de 4 milhões de estudantes. As ações da empresa já selecionaram mais de 12 mil estagiários para programas de estágios da Amazon, Twitter, Scania, Sanofi, DuPont, Goodyear, AkzoNobel, Cyrela, Amil, Microsoft, entre outras. Ao unir soluções tecnológicas – inteligência artificial, jogos online e realidade virtual – com profissionais especializados em Recursos Humanos e Legislação, a Companhia de Estágios se destaca no mercado por realizar processos seletivos assertivos, ágeis, alinhados à cultura dos contratantes e com maior alcance.

Site: www.ciadeestagios.com.br
Facebook: www.facebook.com/companhiadeestagios
LinkedIn: www.linkedin.com/company/ciadeestagios
Twitter: www.twitter.com/ciadeestagios
Instagram: www.instagram.com/ciadeestagios

Fonte: Companhia de Estágios | PPM Human Resources / Foto: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *