Justiça decreta prisão de Ney Santos, prefeito eleito de Embu das Artes

efeito eleito de Embu das Artes, Ney Santos (PRB). Ele é acusado de ser um dos responsáveis por lavar o dinheiro do tráfico de drogas comandado pela facção criminosa PCC.
Prefeito eleito de Embu das Artes, Ney Santos (PRB). Ele é acusado de ser um dos responsáveis por lavar o dinheiro do tráfico de drogas comandado pela facção criminosa PCC

A Justiça decretou, nesta sexta-feira (9), a prisão preventiva do vereador e prefeito eleito de Embu das Artes, Ney Santos (PRB). Ele é acusado de ser um dos responsáveis por lavar o dinheiro do tráfico de drogas comandado pela facção criminosa PCC. Até as 12h, o político ainda não havia sido localizado pela polícia.

Além de Santos, outras 13 pessoas são alvo de mandados de prisão na Operação Xibalba, deflagrada nesta manhã pelo Ministério Público (MP) com o auxílio de policiais militares. Sete delas já estavam presas às 12h. Também foram expedidos 49 mandados de busca e apreensão.

Promotores e PMs com cães farejadores foram logo cedo, por volta das 6h, às duas residências que a família do prefeito eleito possui em Alphaville, bairro nobre que se estende pelos municípios de Barueri e Santana de Parnaíba. Eles vasculharam as casas, mas não o encontraram. A informação é de que o vereador está viajando com familiares.

De acordo com o MP, Santos lavava as quantias arrecadadas pelo crime organizado com o tráfico em postos de combustível. Em sua declaração de bens à Justiça Eleitoral, o político afirmou ser dono ou sócio de seis estabelecimentos do tipo. Ele informou possuir um patrimônio de R$ 2,065 milhões e que grande parte deste montante (R$ 1,6 milhão) era guardado em dinheiro vivo.

Como mostrou o SPTV, esta não é a primeira vez que Santos, que levou a última eleição municipal com 79,45% dos votos, tem o nome ligado ao PCC. Em 2010, a polícia apreendeu computadores, máquinas de contar dinheiro e uma Ferrari avaliada em mais de R$ 1 milhão em seus endereços. À época, ele era suspeito de uma extensa lista de crimes, que inclui lavagem de dinheiro, estelionato, sonegação fiscal, adulteração de combustível e formação de quadrilha.

Santos é o segundo prefeito eleito na Grande São Paulo a entrar na mira da Justiça nesta semana. Na terça-feira (6), Rogério Lins (PTN), que saiu vencedor no pleito de Osasco, já havia tido a prisão decretada por suposto envolvimento com um esquema que desviou cerca de R$ 21 milhões dos cofres públicos, também segundo o MP.

Polícia fez operação de busca e apreensão na casa de Ney Santos em Alphaville (Foto: TV Globo/Reprodução)
Polícia fez operação de busca e apreensão na casa de Ney Santos em Alphaville (Foto: TV Globo/Reprodução)
Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *