Ex-Petrobras, Renato Duque fica calado em depoimento da Lava Jato

duqueO ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque ficou calado na manhã desta terça-feira (3) perante a Justiça Federal do Paraná, em Curitiba, por orientação da defesa. A informação foi confirmada pelo advogado Roberto Brzezinski, que defende o réu. Esta foi a última audiência de um dos processos que envolvem a empreiteira Odebrecht na Operação Lava Jato.

Duque foi acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) pelos crimes de corrupção passiva qualificada e lavagem de dinheiro. Recentemente, tentou um acordo de delação premiada com os procuradores, mas não há confirmação de que tenha sido aceito ou mesmo homologado. Ele está preso no Complexo Médico-Penal de Pinhais, na Região Metropolitana da capital paranaense.

O ex-diretor foi apontado pelas investigações como um dos homens que recebia propinas para o Partido dos Trabalhadores (PT) no esquema revelado pela Lava Jato.

Além de Duque, outros dois réus prestaram depoimentos na manhã desta terça: Celso Araripe d’Oliveira, funcionário da Petrobras, e Eduardo de Oliveira Freitas Filho, que é sócio-gerente da empreiteira Freitas Filho Construções Limitada.

Celso Araripe é acusado de corrupção passiva qualificada e de lavagem de capitais. Já Freitas Filho responde apenas por lavagem de dinheiro.

A empreiteira Odebrecht foi alvo da 14ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada em junho deste ano, junto com a construtora Andrade Gutierrez.

Outras audiências
Na sexta-feira (30), o presidente da holding Odebrecht S.A., Marcelo Odebrecht, teve que prestar depoimento à Justiça Federal nesta mesma ação penal. No entanto, em vez de responder os questionamentos do juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, ele protocolou um documento na Justiça em que respondia às acusações formuladas pelo MPF.

Outros executivos ligados à empresa também foram ouvidos no dia 30 de outubro. Todos negaram a participação nos atos ilícitos apontados pelo MPF. Antes disso, delatores como Paulo Roberto Costa, Pedro Barusco e Alberto Youssef haviam confirmado as declarações que deram em depoimentos anteriores e reiteraram que houve irregularidades

Reta final
Após os depoimentos dos réus, que se encerram nesta terça-feira, o juiz Sérgio Moro deverá dar um prazo para que o MPF e as defesas apresentem as alegações finais no processo. A partir disso, os autos voltam para que Moro defina as sentenças contra cada um dos acusados. Independentemente do resultado – condenação ou absolvição – caberá recursos tanto às defesas quanto para os procuradores.

Condenação de Duque
Duque já foi condenado a 20 anos e 8 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro na ação penal originada na 10ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada em março deste ano. A sentença com a condenação do ex-diretor de Serviços da Petrobras foi assinada pelo juiz federal Sérgio Moro no dia 21 de setembro.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *