Colisão entre trens deixa nove feridos na Zona Norte do Rio

Nove pessoas ficaram feridas em um acidente envolvendo dois trens que colidiram na altura da Estação São Cristóvão da SuperVia, na Zona Norte do Rio, na manhã desta quarta-feira (27). Entre os feridos está um dos maquinistas, que ficou preso entre os destroços. Sete feridos foram levados para o Hospital Souza Aguiar, e um foi para o Salgado Filho, no Méier.

Mais de quatro horas após a colisão, o maquinista ainda estava entre as ferragens e respirava com a ajuda de balão de oxigênio. Ele permanece consciente e, segundo a equipe de reportagem da GloboNews, está conversando com as equipes de resgate.

Outra vítima do acidente é o encanador Sandro Ricardo Moreira, morador de Duque de Caxias, que estava indo para Cascadura e teve uma luxação no joelho esquerdo durante a colisão do trem.

Sandro contou que a composição ficou parada por dez minutos antes do impacto. “Eu rolei no chão, bati e machuquei”, disse o encanador, que todos os dias faz a baldeação na estação de São Cristóvão.

A colisão aconteceu entre um trem do ramal de Deodoro, que vinha da Central, e uma composição ainda não identificada que também saiu da Central. O acidente aconteceu às 6h55.

O choque foi tão violento que a locomotiva de um dos trens se soltou do chassi e ficou esmagada. Bombeiros tentavam desde as 7h15 abrir caminho entre esses destroços para soltar o condutor.

Bombeiros dos quartéis do Centro, Praça da Bandeira e Vila Isabel trabalham no resgate com o auxílio de alicates hidráulicos e desencarceradores, utilizados para cortar peças de aço.

Quase três horas depois do acidente, bombeiros ainda tentavam retirar o maquinista das ferragens, por volta das 10h. O calor no local é grande e bombeiros que não atuam diretamente nas ferragens distribuíam água para os companheiros.

Uma equipe começou às 10h a serrar a lataria pelo teto de um vagão para chegar até a vítima. Eles já retiraram parte do entulho, mas precisam entrar cada vez mais entre as ferragens para tentar resgatar o maquinista.

Estrondo e queda

Passageiros que estavam em um dos trens contam que ficaram assustados no momento da colisão e que muita gente caiu. Segundo Andreia Mathias, que estava a caminho do trabalho, as pessoas só se deram conta da gravidade da batida quando saíram da composição.

“A gente escutou aquele baque, e todo mundo caiu dentro do trem. Aí um camelô tentou nos acalmar, né, acudiu alguém que caiu e falou: ‘Gente, calma, fica calma que foi só o trem que descarrilhou. Aí, nisso que nós levantamos e começamos a andar, estavam vindo os guardas e o apoio da SuperVia. Quando nós saímos do trem que nós vimos a gravidade que foi”, afirmou Andreia.

Os trens do ramal Deodoro estão com intervalos irregulares, circulam com atraso e não estão parando na estação Praça da Bandeira, no sentido Deodoro, e na estação São Cristóvão, no sentido Central do Brasil. Os passageiros estão sendo informados pelos canais de comunicação da concessionária.

A estação onde aconteceu o choque tem baldeação com a Linha 2 do metrô. Quatro ramais da SuperVia param em São Cristóvão.

Investigação

Em nota, a concessionária informou que uma sindicância foi instaurada para apurar as causas do choque.

A Agetransp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes Aquaviários, Ferroviários e Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro) informou, em nota, que está investigando as circunstâncias do acidente.

“Equipes técnicas foram enviadas à estação para fazer o levantando do local do acidente. Além das causas da colisão, também serão objeto de análise pela agência reguladora a adequação do atendimento prestado aos usuários pela concessionária SuperVia e dos procedimentos adotados para o restabelecimento da normalidade na operação comercial dos trens. A concessionária poderá ser multada”, afirmou a nota.

Reprodução/TV Globo
Raísa Pires/G1
Raísa Pires/G1
Raísa Pires/G1
Reprodução / Globocop
Fonte e fotos: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *