Cachaça artesanal é tema de audiência pública na Assembleia

cachaca-A cadeia produtiva da cachaça artesanal em Minas Gerais será tema de audiência pública da Comissão de Política Agropecuária e Agroindustrial da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) nesta quarta-feira (26/8/15), às 15 horas, no Auditório. São autores do requerimento o presidente da comissão, deputado Fabiano Tolentino (PPS), e os deputados Inácio Franco (PV), Nozinho (PDT), Emidinho Madeira (PTdoB) e Rogério Correia (PT).

Segundo o presidente da comissão, o agronegócio da cachaça mineira consolidou-se nos últimos tempos como importante segmento da agricultura do Estado, tanto na formação de renda do trabalhador rural quanto na geração de empregos ao longo da sua cadeia produtiva. “Buscamos debater a cadeia produtiva da cachaça artesanal, visando ancorar o fortalecimento do meio rural e aproveitar as potencialidades do mercado consumidor da bebida”, diz ele.

O parlamentar acrescenta que a realização da reunião tem o propósito de “discutir e propor soluções para esses produtores que, por desconhecimento ou por dificuldades, ainda atuam sem o registro legal de funcionamento”. “A cachaça mineira é, praticamente, um patrimônio, como o queijo canastra, e por isso devemos atuar para conseguir fomentar e incentivar o setor”, conclui.

O produto – Nascida há 500 anos e ligada a um dos primeiros grandes ciclos econômicos, o da cana-de-açúcar, a bebida continua presente no mercado e cultura dos brasileiros. Assim como o carnaval e a feijoada, a cachaça tem sua imagem totalmente associada ao povo brasileiro.

Segundo dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a produção da genuína cachaça artesanal mineira gera mais de cem mil empregos diretos e acumula ao longo do seu ciclo produtivo uma receita anual de mais de R$1 bilhão. O Estado possui quase 8,5 mil estabelecimentos produtores, onde 85% operam nas margens da ilegalidade, ou seja, não possuem registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Do total de estabelecimentos em Minas Gerais, 53% localizam-se nas mesorregiões do Norte de Minas, Vale do Jequitinhonha e Vale do Mucuri.

Convidados – Foram convidados a participar do evento o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, João Cruz Reis Filho; o secretário de Estado de Fazenda, José Afonso Bicalho Beltrão da Silva; o superintendente Federal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento em Minas Gerais, Marcílio de Sousa Magalhães; o diretor-geral do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), Márcio da Silva Botelho; o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Olavo Machado Júnior; o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Roberto Simões; e o presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg), Vilson Luiz da Silva. Também foram convidados os presidentes da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater), Amarildo José Brumano Kalil; da Associação Mineira dos Produtores de Cachaça de Qualidade (Ampaq), Trajano Raul Ladeira de Lima; do Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac), Cristiano de Castro Lamêgo; da Associação Comercial e Empresarial de Minas (Acminas), Lindolfo Coelho Paoliello; e o diretor comercial da Cooperativa dos Produtores de Cachaça Artesanal de Alambique do Vale do Piranga, de Ponte Nova, Itamar Pinto Coelho.

5167712eeda08505c6c1c66d6ff43fec

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *