Após seis dias na China, Temer embarca de volta para o Brasil

Após seis dias de compromissos na China, o presidente Michel Temer embarcou de volta para o Brasil no iníico da terça-feira (5) no fuso horário chinês (ainda madrugada em Brasília).

Segundo a assessoria do Palácio do Planalto, o presidente deve desembarcar na capital federal nesta quarta (6), véspera do feriado da Independência. O peemedebista vai acompanhar o desfile de 7 de setembro na Esplanada dos Ministérios ao lado de ministros.

Temer iniciou o retorno ao Brasil em um momento de turbulência política em razão da abertura de uma investigação, determinada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para apurar se delatores da JBS omitiram informações no acordo de delação premiada.

Novos áudios foram entregues pelos delatores à PGR na última quinta (31) e, conforme Janot, tratam de fatos “gravíssimos”.

O material foi remetido o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). O advogado de Temer, Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, afirmou ao G1 que pedirá nesta terça ao magistrado acesso às gravações.

Janot denunciou o presidente em junho, por corrupção passiva, com base nas informações dos executivos da J&F, grupo que controla o frigorífico JBS. Existe no meio político a expectativa do uso destas mesmas delações em uma eventual segunda denúncia contra Temer.

Michel Temer cumprimenta os chefes de Estado do Brics após foto oficial do encontro de cúpula da China (Foto: Beto Barata, PR)

G1 apurou que o Palácio do Planalto acredita que o desgaste provocado pelo casa enfraquece uma nova acusação feita pela PGR.

Ainda na China, o presidente afirmou a jornalistas que vê com “serenidade” a investigação aberta por Janot, cujo resultado pode ser a rescisão do acordo de colaboração dos irmãos Joesley e Wesley Batista e de seus executivos na J&F.

Temer deixou Brasília na última terça-feira e desembarcou na China na quinta, após escalas em Portugal e Cazaquistão, que serão repetidas na viagem de volta. No período, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fica como presidente da República em exercício.

No país asiático, Temer passou por Pequim, para uma visita de estado, e Xiamen, que recebeu a cúpula do Brics, bloco de países emergentes composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Em Pequim, o presidente teve encontros com empresários chineses para apresentar os novos projetos de concessões e privatizações do país. Ele também se reuniu com o presidente da China, Xi Jinping. Brasil e China assinaram 14 atos internacionais, conforme a assessoria do Planalto.

Na cúpula do Brics, os países que integram o bloco discutiram questões de cooperação econômica, desenvolvimento sustentável e a escalada da tensão na Coreia do Norte. Temer também tratou da abertura de um escritório do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), o banco do Brics, no Rio de Janeiro ou São Paulo.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *