Após apagão em Congonhas, voos da TAM são cancelados

aeroporto

Ao menos 14 voos da TAM foram cancelados na manhã desta sexta-feira (11) após apagão que atingiu terminal do Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo, na noite desta quinta-feira (10).

Segundo a companhia área, por meio de sua assessoria de imprensa, os voos de chegadas a Congonhas e partidas do aeroporto foram cancelados por reflexo do apagão na pista na noite anterior. A TAM informou que todos os passageiros já foram reacomodados em outros voos.

Chegadas canceladas:
TAM 03100  Florianópolis – SC  11/09  07:15  07:15   Cancelado
TAM 03050  Porto Alegre – RS  11/09  07:25  07:25   Cancelado
TAM  03007  Curitiba – PR  11/09  07:30  07:30   Cancelado
TAM  03129  Vitória – ES  11/09  07:35  07:35   Cancelado
TAM  03905  RJ – S. Dumont – RJ  11/09  08:30  08:30   Cancelado
TAM  03909  RJ – S. Dumont – RJ  11/09  09:15  09:15   Cancelado
TAM 03201  Belo Horizonte – MG  11/09  09:20  09:20   Cancelado
TAM 03913  RJ – S. Dumont – RJ  11/09  10:20  10:20   Cancelado
TAM  03913  RJ – S. Dumont – RJ  11/09  10:20  10:20   Cancelado

Partidas:
TAM 03906  RJ – S. Dumont – RJ  11/09  07:30  07:30   Cancelado

A Infraero, que só contabiliza partidas do aeroporto, informou que na manhã desta sexta três voos foram cancelados e seis sofreram atrasos. A Gol informou que o voo 1602 Congonhas – Galeão foi cancelado nesta sexta porque o avião não pode pernoitar no aeroporto por causa do apagão. Os passageiros foram reacomodados em outro voo.

O transformador que alimenta as luzes da pista do aeroporto queimou e a suspensão de pousos de decolagens começou a partir das 17h58 e a pista ficou com a iluminação apagada. A situação foi regularizada às 19h31.

Caos
A queda de energia do transformador afetou vários voos. Até as 19h20, pelo menos 15 voos tiveram destinos alterados e 25 partidas estavam atrasadas. O primeiro avião a pousar após o apagão chegou às 19h51. Por causa da chuva, Congonhasx passou a operar apenas por instrumentos às 21h. Segundo a Infraero, no entanto, pousos e decolagens ocorriam normalmente no horário.

A pista principal ficou uma hora e meia fechada. O SPTV mostrou imagens da pista principal com as luzes apagadas. A pista auxiliar, usada por aviões particulares e de menor porte, seguiu funcionando normalmente, segundo a Infraero.

O fechamento atrasou diversos voos e deixou passageiros apreensivos. A jogadora de vôlei Fernanda Oliveira, de 24 anos, chegou a entrar na aeronave da Avianca que a levaria para Brasília. O voo estava programado para as 17h30, mas o embarque ocorreu somente meia hora depois. “Ficamos uns 50 minutos no avião, então avisaram que teve um problema na pista.”

Às 20h, ela entrou na fila dos passageiros que pretendiam remarcar o voo. “Vou ficar mais uns dias em São Paulo. Acho que vou no domingo. Não adianta mais, mesmo que eu vá para Cumbica. Iria chegar muito tarde em Brasília”, afirmou.

Também no mesmo avião, a empresária Mônica Moura, de 35 anos, pretendia pegar o primeiro avião que a levasse à capital federal. “Quero ir embora para casa. Essa cidade [São Paulo] é uma loucura”, brincou.

O movimento em Congonhas era intenso, principalmente nos guichês das companhias áreas. Funcionários corriam para acomodar os passageiros cansados de esperar no saguão.

A advogada Vera Smid, de 49 anos, estava preocupada. Seu voo da Gol para o Galeão, no Rio, estava marcado as 19h15, e às 20h30 ela ainda não tinha entrado no avião. “Vim de uma conexão de Brasília. Estou desde as 17h e nada de me informarem. Meu carro está lá no Galeão. Quem vai pagar mais uma diária”, questionou.

Minutos após reclamar com funcionários da Gol, ela foi informada que iria ser colocada em um avião da companhia. O engenheiro Albino Lopes Neto, de 53 anos, também reclamou da demora. “Sempre ocorrem problemas em aeroportos, mas só dizem para a gente esperar.”

O técnico de comunicação Keer Neneve, de 39 anos, estava visivelmente cansado. Ele veio de Santa Catarina e pretendia fazer mais uma conexão em Brasília, de onde viária para Roraima. “Disseram que terá outro voo igual amanhã. Quero que me deem hotel e refeição, como diz a lei.” Além do cansaço, ele afirmou estar preocupado com um conhecido que o aguardava no destino final. “Tem uma pessoa me esperando na fronteira com a Venezuela. Não consegui falar com ela ainda.”

Companhias aéreas
Uma moradora de um prédio próximo ao aeroporto enviou ao G1 no início da noite desta quinta-feira uma foto que mostrava que apenas as luzes azuis do entorno do aeroporto estavam acesas, e as luzes brancas da pista, apagadas.

A TAM redirecionou alguns voos programados para Congonhas para os aeroportos de Guarulhos, Confins, em Belo Horizonte (MG) e Viracopos, em Campinas (SP). Em nota, a empresa informou que “22 voos com origem e destino ao aeroporto de Congonhas foram impactados pelo fechamento da pista”.

A companhia acrescentou que “recomenda que os passageiros com voos de ou para a cidade de São Paulo entrem em contato com a Central de Atendimento (4002-5700 (capitais) e 0300 570 5700 (todo o Brasil)”.

A Gol informou que alguns voos foram desviados para Guarulhos e Viracopos ou retornaram para o local de origem. A companhia disse em nota que 19 voos foram afetados. “Congonhas concentra um grande número de operações da Companhia, sendo ainda um ponto importante de conexão para cidades de todo o país, portanto o fechamento deste aeroporto gera um impacto para as operações.”

A Azul disse, por meio de uma nota, “que os clientes estão recebendo toda a assistência necessária de acordo com a resolução 141 da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A companhia lamenta o ocorrido e ressalta que ações como essa são necessárias para conferir a segurança de suas operações”. Ao todo, três voos foram afetados (um foi cancelado, outro sofreu atraso e o último, transferido para São José dos Campos).

3_4

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *