Acampamento pró-governo atende a pedido do GDF e deixa a Esplanada

Grupo de manifestantes contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff acampa no estacionamento do Teatro Nacional, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil)
Grupo de manifestantes contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff acampa no estacionamento do Teatro Nacional, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil)

Manifestantes contrários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff e que estão acampados no Distrito Federal desde o último domingo (10) acataram um pedido do governo local e mudaram o espaço da ocupação nesta segunda-feira (11). O grupo deixou a área do Teatro Nacional, na Esplanada dos Ministérios, e passou a acampar nos arredores do ginásio Nilson Nelson, a cinco quilômetros de distância.

A migração ocorreu na tarde de segunda, quando todas as estruturas foram retiradas. Apesar de estarem com barracas e colchonetes, os militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) afirmaram que não estavam acampando, mas apenas se reunindo no local.

Diretor do movimento, Marco Antônio Baratto disse que o processo de impeachment é “um golpe na democracia” e representa a “luta de classes” existente no país. “A Dilma, apesar de todos os equívocos no governo dela, principalmente em relação à reforma agrária, não cometeu crime de responsabilidade fiscal”, disse.

Segundo o MST, havia cerca de 800 pessoas em frente ao Teatro Nacional às 15h desta segunda. Nos cálculos da PM eram 400 pessoas.

Os militantes que defendem o afastamento de Dilma estão a dois quilômetros de distância da Esplanada, no Parque da Cidade. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, o local não desobedece ao que foi acordado no esquema. A Força Nacional e a Polícia Militar acompanham os dois acampamentos.

Muros
Para evitar conflitos entre pessoas com orientações contrárias, alambrados são erguidos no gramado da Esplanada. Detentos do regime semiaberto começara a montar a estrutura no último final de semana.

Manifestantes pró-impeachment pretendem contestar na Justiça o esquema de segurança anunciado pelo governo do Distrito Federal. Segundo eles, todo o espaço diante da Esplanada dos Ministérios foi reservado por eles e não poderia receber atos contrários.

“Vamos entrar com um mandado de segurança. A secretária de Segurança insiste em manter grupos antagônicos no mesmo local, sendo que nós protocolamos primeiro”, afirmou o professor de filosofia Allan dos Santos, um dos acampados no Parque da Cidade.

Análise e votação
A análise do processo de impeachment pelo plenário da Câmara dos Deputados deve começar na próxima sexta-feira (15). A votação está prevista para o domingo (17). Todos os 25 partidos políticos com representação na Casa terão direito a uma hora de pronunciamento no plenário. Os servidores deverão acessar a Casa pelo Anexo IV.

Apenas deputados, servidores, jornalistas credenciados e prestadores de serviço poderão entrar nas dependências da Câmara entre os dias 14 e 21 de abril. A decisão de restringir o acesso, segundo a direção da Câmara, foi tomada por questões de “segurança e proteção das pessoas e do patrimônio físico, histórico e cultural da instituição”.

A Mesa Diretora da Casa vai distribuir uma credencial específica para que o grupo possa circular pelo Salão Verde e entrar no plenário no período. Visitas institucionais às dependências do prédio estão suspensas entre esta segunda-feira (11) e o dia 21 de abril, assim como as sessões solenes e outros eventos que seriam realizados no período.

Principais pontos do planejamento operacional
– A Esplanada dos Ministérios será compartilhada entre os grupos a favor e contra o impeachment, mas haverá isolamento feito por alambrados e linhas de policiamento para que os dois grupos não se misturem;

– O grupo pró-impeachment ficará à direita do Congresso Nacional e terá como ponto de concentração o Museu da República. O grupo contrário ao impeachment ficará à esquerda do Congresso Nacional e terá como ponto de concentração o Teatro Nacional;

– Haverá um corredor de 80 metros de largura e um quilômetro de extensão, separando as áreas delimitadas para os dois grupos. Ao longo desse corredor, será permitido o trânsito apenas das equipes de segurança pública;

– A área permitida para manifestações só vai até a Alameda dos Estados. A área que compreende a Praça dos Três Poderes, o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal, o Palácio do Planalto, o Itamaraty e o Ministério da Justiça é considerada de segurança nacional e estará isolada para uso exclusivo das equipes de segurança pública;

– Não serão permitidos acampamentos na área da Esplanada dos Ministérios ou em suas adjacências;

– A partir da Rodoviária do Plano Piloto, os policiais militares farão orientações para que os manifestantes sigam as áreas delimitadas de acordo com seus posicionamentos políticos;

– Os manifestantes que forem ao local de carro devem optar por estacionamentos nos anexos dos Ministérios, seguindo a lógica de manifestantes pró-impeachment no lado sul e contrários, no lado norte;

– Haverá linhas de revista tanto na área destinada ao grupo pró-impeachment, quanto na área destinada ao grupo contrário ao impeachment;

– No dias 11, 12, 13 e 14, as medidas de separação e de interdição de trânsito serão tomadas de acordo com avaliações de cenário;

– O trânsito será interditado em toda a área da Esplanada dos Ministérios a partir de meia-noite de sexta-feira (15), a abertura das vias dependerá de avaliações de cenário.

Orientações para os manifestantes
– Não será permitido portar objetos cortantes, garrafas de vidro, hastes de madeira ou fogos de artifício;

– Não será permitido usar máscaras ou cobrir o rosto com lenços ou bandanas;

– Não será permitido estacionamento ao longo das vias;

– Não será permitida a venda de bebidas alcoólicas;

– Não é recomendado que pais levem crianças, mas, caso seja a decisão dos responsáveis, é necessário que elas estejam identificadas e, em hipótese alguma, sejam submetidas a situações de risco;

– Também não é recomendado que idosos ou pessoas com problemas cardiovasculares estejam no local de grande aglomeração.

Regras para as manifestações
– Megafones serão recolhidos;

– Instrumentos musicais serão permitidos para emissão de som. Se utilizados para finalidade diversa, poderão ser recolhidos;

– Faixas e bandeiras poderão ser manualmente portadas, sem hastes, e poderão ser fixadas ao longo dos alambrados de divisão das áreas;

– Balões aéreos, de identificação dos movimentos, e bonecos e/ou símbolos provocativos ou ofensivos estão proibidos, independemente do tamanho;

– Carros de som serão permitidos em pontos específicos: um no Museu da República, um no Estacionamento do Teatro Nacional, um na via S1 na altura da Alameda das Bandeiras e um na via N1 na altura da Alameda das Bandeiras;

– Carros de som localizados na Alameda das Bandeiras serão controlados pela Polícia Militar e pela Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social para informes oficiais periódicos, informes parciais e orientações. Interlocutores dos grupos serão cadastrados pelo governo de Brasília e poderão subir nesses carros de som apenas para dar orientações, palavras de ordem e de comando aos manifestantes. Serão cadastrados como interlocutores quatro representantes de cada grupo, num total de oito pessoas.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *